educacao1
Brincar, cantar e aprender

Escola de Nova Lima utiliza a música como tema que norteia o aprendizado dos alunos do maternal

Quando Maria Paula, quatro anos, passa pelo portão da escola, um novo universo se abre aos seus olhos: ao som de uma música clássica, ela chega ao pátio enfeitado com grandes notas musicais que caem do teto, onde pássaros repousam sobre as melodias. Num canto está um pequeno palco de fantoches e, mais ao lado, dois sapos enormes seguram microfones que parecem de verdade. Acima do palco, no centro do pátio, um teclado gigante parece soltar as notas que estão no ar. Nas paredes, fotos de Beethoven, Mozart, Bach, Haendel, Villa Lobos, Vivaldi e Chopin, grandes nomes da música no mundo. Na sala de aula, ao encontrar os amiguinhos Samuel, Maria Clara, Betina e Vitor, a ludicidade continua nas aulas que mais parecem uma brincadeira, mas com muito aprendizado.

Neste ano letivo da Fundação Torino, que começou em agosto do ano passado (por ser uma escola italiana), tudo remete a música, tema escolhido pela escola infantil Scuela Materna para nortear as aulas dos pequenos. Então, mesmo quando não estão na disciplina de música – onde as crianças começam a alfabetização musical e têm contato com vários instrumentos como flauta, violão, piano, tambor, chocalho, violino, bateria e prato –, existe o contato com o mundo dos sons. “A música encanta muito as crianças. Muitas vezes elas não sabem falar todas as frases completas, pronunciam um ou outro substantivo, mas conseguem cantar”, explica Magda Casarotti, diretora da Scuela Materna. Magda também conta que a música é fundamental, pois insere o ser humano no contexto social, além de estimular a criança em diversos aspectos, já que cantar, tocar instrumentos e fazer barulhos de várias naturezas fazem parte da infância.

educacao2

Neste ano letivo, a música está presente em todos os cantos da Fundação Torino, a decoração insere, de forma lúdica, os alunos num mundo de fantasia e aprendizado

Por meio da música, a criança começa a ter uma pronúncia mais correta e começa a se comunicar de uma forma mais saudável, “porque neste campo ela encontra um ritmo que é agradável, ela encontra um estímulo alegre. Mesmo crianças mais tímidas cantam e, consequentemente, aprendem”, completa Casarotti. Futuramente esses meninos e meninas terão a parte da comunicação e do ouvir muito mais desenvolvido porque são pessoas que criam habilidades auditivas diferenciadas. “Ela aprende a ouvir ritmos diferentes, com esses estímulos ela passa a entender as diferenças entre os sons, entre os ritmos e todas as coisas que o mundo oferece”, revela a diretora.

Percursos integrados

A metodologia de ensino da Scuela Materna consiste em escolher um tema, que neste ano foi a música, e aplicar em todos os ciclos de aprendizado. Por exemplo, na aula de culinária, os alunos fazem um biscoito no formato de uma nota musical e aprendem sobre ela. É assim que funcionam os seis Percursos Integrados, também chamados de campos de experiência: o corpo e o movimento; as coisas, o tempo e a natureza; a criança e o outro; espaço, ordem e medidas; mensagem, forma e mídia; o discurso e as palavras. Casarotti afirma que inserir um tema central, que perpasse os seis Percursos Integrados, é um desafio para professores e alunos. Além de propiciar uma decoração exclusiva do espaço, essa escolha propicia o desenvolvimento de um grande projeto e envolve várias áreas do conhecimento, tornando o aprendizado mais integrado e diversificado a cada ano letivo. A diretora explica que as atividades propostas no currículo estão sempre interligadas ao tema central. As músicas trabalhadas com as crianças são pesquisadas a partir do tema definido para aquele ano letivo, bem como as pesquisas e investigações realizadas em sala de aula. O mesmo acontece com o planejamento das excursões. “As visitas são sempre articuladas ao tema e programadas em consonância com os campos de experiência.”

educacao3

Magda Casarotti, diretora da Escuela Materna da Fundação Torino

O mundo dos sons

Escutar, exprimir-se, reproduzir e inventar, por meio da música, leva as crianças a inúmeras descobertas e as ajuda a “orientar-se melhor com o corpo, as sensações e o espaço. Por isso criamos um projeto que abrangesse a história da música, os vários ritmos musicais, os grandes músicos, os vários sons do mundo, os rumores do próprio corpo, os barulhos da natureza”, completa Magda. Além disso, à medida que as crianças aprimoram a escuta dos vários sons, aperfeiçoam também a capacidade de perceber a diferença entre as diversas línguas faladas no mundo e as inúmeras formas de comunicação, facilitando, assim, a aprendizagem de outros idiomas. Segundo Magda, os alunos receberam muito bem a proposta..

Aos poucos eles foram percebendo com nitidez a diferença dos vários tipos de sons emitidos pelos objetos, pela natureza e principalmente pelos ritmos musicais. Além disso, adoraram conhecer um pouco mais da vida e obra de autores como Beethoven e Vivaldi, dentre outros. “Sem contar o fato de estarem encantadas com o contato com inúmeros instrumentos musicais”, afirma.

Muito além de ler e escrever

O objetivo da Scuela Materna é preparar os pequenos para o ensino fundamental oferecendo uma formação geral, globalizada. “Não nos preocupamos apenas com a alfabetização. Aqui isso vai acontecer de forma natural, no tempo de cada criança, mas sem perder de vista as outras habilidades que ela precisa desenvolver”. A diretora diz que a criança precisa estar inserida de uma forma melhor no mundo para que ela possa aprender a ler e a escrever com tranquilidade, sem atropelos. Casarotti completa que “o ensino infantil não é só brincar, mas eles aprendem muito brincando, já que o brincar é a primeira forma de comunicação da criança. E, ainda, aprendem a conviver, a socializar, a respeitar o espaço do outro nas aulas de balé, capoeira, futsal ou ginástica artística”.

educacao4

Na sala de aula, além das disciplinas comuns, as crianças iniciam a alfabetização musical desde os dois anos de idade